Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FAZER ASSOCIATIVISMO

Textos sobre as minhas vivências associativas

FAZER ASSOCIATIVISMO

Textos sobre as minhas vivências associativas

Quando as emoções florescem e fazem nosso coração pensar

13445460_10207776321544609_896828990886855356_n.jp

 

 

Ontem, por duas vezes, senti os meus olhos lacrimejar, aqueles instantes que as emoções florescem e fazem nosso coração pensar.

Quando o nosso coração pensa, os nossos olhos sentem, porque, nesses instantes, nós sentimos com o coração e pensamos com o nosso olhar brilhante.

A primeira vez foi quando escutei o hino nacional, antes de começar o jogo com a Áustria. Senti aquela energia e orgulho de ter nascido neste canto – Portugal.

Depois, não acabei de ver o jogo e fui até ao Pavilhão Municipal Luís de Carvalho, para assistir ao Sarau da minha velhinha SFAL – Sociedade Filarmónica Agrícola Lavradiense. Vivi aquele momento com emoção. E, ali, os meus olhos brilharam de alegria ao ver os atletas da SFAL e a bandeira da velhinha erguida bem alto.

 

À memória muitas recordações. Os dias do Sarau nas instalações da colectividade, sem condições para receber as centenas de famílias e atletas, mas fazia-se uma grande festa.

Depois a opção de mudar para o Pavilhão da Escola Álvaro Velho ( com criticas e comentários corrosivos da quinta coluna) e, ali, dar uma nova dimensão a esta festa que marcava o encerramento de mais um ano de formação de centenas de crianças e de competição, primeiro ao nível de trampolim, depois na Acrobática. Dias de grande esforço para dirigentes, familiares e atletas - do transporte de cadeiras aos equipamentos.

Mas, sempre, no final, era a imensa a alegria que enchia o coração de todos, principalmente quando a bandeira da nossa SFAL era erguida a marcar o arranque daquele dia de festa.

 

Mais tarde, nos finais dos anos 90, a opção de mudar para o Pavilhão Municipal Luis de Carvalho (de novo as criticas da quinta coluna), mas, lá fomos e iniciámos, de forma pioneira, a realização de eventos de Ginástica no Pavilhão Municipal.

Milhares de pessoas a assistir, uma emoção enorme e uma alegria de vermos as nossas crianças, correr, saltar e sorrir.

Um trabalho de equipa de técnicos, pais e dirigentes. Uma festa do desporto.

 

Ontem à noite, lá estive, no Pavilhão Municipal Luís de Carvalho e de novo, senti, aquela festa imensa, com centenas de pessoas.

Pensei, é isto que dá energia e força para ser dirigente associativo. Ver crianças felizes. Contribuir para a formação.

E senti isto, quando, entrou a classe do Clube de Pessoal da Siderurgia Nacional, tendo Professora a Catarina Soares – aquela menina que eu aprendi a chamar campeã, que cresceu da formação, até à competição e licenciou-se em Educação Fisica.

E como foi bonita a apresentação da sua classe. Fui beijá-la e disse-lhe : “Gostei. Tens a escola da SFAL. Foi lindo”.

Uma escola feita de muitos técnicos - a Cristina, o João e outros que foram formando e mantendo esta actividade de referência na vida da SFAL e na valorização da comunidade.

 

Todas estas recordações surgem no meu pensamento, neste dia que é um dia especial nas minhas memórias do associativismo.

No dia de hoje – 19 e Junho de 2006 – foi aprovado pela Câmara Municipal do Barreiro atribuir-me a distinção de «Barreiro Reconhecido» na área do Associativismo.

Penso em tudo isto e penso na coragem da minha Maria de Lurdes de ter pegado no testemunho e continuado um trabalho meritório. Dou-lhe os meus parabéns a ela e a toda a equipa, uma equipa jovem, voluntária que ama a SFAL e dá sem querer nada em troca, para servir a comunidade.

Obrigado a todos. A minha emoção foi afinal, pensar e sentir, o resultado do trabalho, do que é fazer associativismo.

Obrigado a todos!

 

António Sousa Pereira

Sócio Honorário da SFAL

asfalsarau 010.JPG

 

 

asfalsarau 007.JPG